Boxe

Boxe

REGRAS

O boxe ou pugilismo é um esporte de combate, no qual os lutadores usam apenas os punhos, tanto para a defesa, quanto para o ataque. A palavra deriva do inglês box, ou pugilismo (bater com os punhos), expressão utilizada na Inglaterra entre 1000 e 1850.

CATEGORIAS POR PESO CORPORAL:

 
CATEGORIAS MASCULINO FEMININO
Mosca ligeiro 46 Kg 48 Kg
Mosca 52 Kg 51 Kg
Galo 56 Kg 54 Kg
Pena - 57 Kg
Leve 60 Kg 60 Kg
Meio médio ligeiro 64 Kg 64 Kg
Meio médio 69 Kg 69 Kg
Médio 75 Kg 75 Kg
Meio pesado 81 Kg 81 Kg
Pesado 91 Kg -
Super pesado Acima de 91 kg Acima de 81 Kg
 

Em competições olímpicas, o feminino compete apenas nas categorias mosca, leve e meio pesado.

No boxe, luta-se com os punhos cerrados usando luvas feitas de couro almofadado e são obrigados a utilizar protetor bucal e bandagens atléticas por debaixo das luvas.

Dependendo da entidade organizadora de competições, os pugilistas podem ou não lutar usando protetor de cabeça e camisas. No caso das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, apenas os homens lutarão sem capacete e sem camisa como ocorre no boxe profissional. Os dois lutadores devem usar luvas de 10 onças (284 g) nas categorias de 49 kg até 64 kg na Elite Masculino e em todas as categorias do feminino; e luvas de 12 onças (341 g) nas categorias a partir de 69 kg na elite masculina.

As regras podem variar um pouco entre o boxe amador e o profissional, assim como variam também entre as organizações do boxe profissional. No boxe profissional, os ringues têm entre 7,8 m², sendo que a área de luta ocupa 6,1 m² e sua superfície é composta de lona sobre aproximadamente 3 cm de acolchoado, para amortecer possíveis quedas. O ringue fica a uma altura de 1 metro do chão e é cercado por cordas flexíveis.

A luta é dividida em rounds, ou assaltos, que tem duração que podem variar entre 3 minutos e intervalo de 1 minuto entre os rounds. O número de rounds pode variar dentre os níveis amador e profissional. No profissional, as lutas tem 12 rounds, podendo chegar até 15. Já para os amadores, são no máximo 5 rounds.

FALTAS:

- Abraçar, atracar-se, ou agarrar excessivamente

- Desferir golpes abaixo da cintura

- Chutar

- Atacar quando o oponente está caído na lona

- Dar cabeçada

- Morder as orelhas (ocorreu um caso em uma disputa entre Mike Tyson e Evander Hollyfield, onde Mike Tyson arrancou um pedaço da orelha do oponente)

As lutas terminam quando é dado nocaute, ou seja, quando um dos competidores é derrubado e não volta a fica de pé até que o juiz conte até 10, ou por nocaute técnico que é o lutador de pé ou apoiado nas cordas for incapaz de prosseguir a luta.

GOLPES:

Jab - golpe frontal com o punho que está à frente na guarda.

Direto – golpe frontal com o punho que está atrás na guarda.

Cruzado – golpe desferido acertar a lateral do oponente.

Swing – golpe aplicado de cima para baixo visando atingir a lateral do rosto oponente.

Uppercut - golpe desferido de baixo para cima visando atingir o queixo ou a região dos rins do adversário.

Jab-direto – golpe de socos com ambas as mãos uma após a outra.

Gancho – golpe aplicado na linha de cintura do adversário.

GLOSSÁRIO:

Clinche – quando os dois pugilistas estão de segurando ou se apoiando um no outro sem trocar golpes.

Esquiva – quando o pugilista desvia do golpe desferido pelo oponente.

Guarda – posição inicial do combate, com uma perna levemente à frente da outra e as mãos levantadas na altura do rosto.

Knockdown – quando um dos pugilistas cai com um soco do adversário.

Nocaute – golpe que define o combate e dá vitória a quem o aplicou.

Sparring – nome dado ao pugilista que auxilia no treino do outro.

PONTUAÇÃO

O pugilista vencedor é aquele que consegue aplicar mais golpes no adversário.

São posicionados cinco juízes nas laterais do ringue e três são selecionados aleatoriamente para julgar cada combate. Ao final de cada round, eles têm que pontuar o vencedor da parcial com 10 pontos e perdedor com 9, 8, 7 ou 6 pontos dependendo do resultado da luta.

10x10 – round/assalto empatado

10x9 – round/assalto equilibrado com leve vantagem para um dos lutadores

10x8 – round/assalto com um claro vencedor e uma queda

10x7 – domínio total de um dos lutadores e uma queda

10x6 – vitoria para um dos lutadores e duas quedas

DECISÕES/ VITÓRIA:

- Vitória por abandono

- Empate ou empate técnico

- Nocaute técnico - quando a contagem chegar a 10 e o boxeador não tenham condições de prosseguir no combate

- Vitória por Desclassificação

- Por pontos:  

  decisão unânime: todos os três juízes indicaram o mesmo vencedor

  decisão da maioria: dois juízes escolheram um lutador e o terceiro juíz considerou a luta empatada 

  decisão dividida: dois juízes escolheram um lutador e o terceiro juiz escolheu o outro lutador 

  empate pela maioria: dois juízes consideraram a luta empatada e o terceiro achou um vencedor

HISTÓRIA

Há registros longínquos da existência do boxe já no ano 3.000 a.C., no Egito. Mas foi na Grécia Antiga, no século 7 a.C., que a modalidade começou a tomar cara de esporte. A história do boxe, no entanto, é cheia de altos e baixos. Embora tenha feito parte das Olimpíadas da Grécia Antiga, quando os lutadores apenas protegiam as mãos com pedaços de couro, o boxe chegou a morrer.

Durante o Império Romano, houve alterações no mínimo controversas na modalidade. O boxe passou a ser protagonizado pelos gladiadores, que lutavam com luvas recheadas de metal. Algo propício para o objetivo dos combates, já que na maioria das vezes a disputa terminava com a morte de um dos lutadores. Com o fim do império, o boxe “hibernou” por um bom tempo. Foi reaparecer no século 17, na Inglaterra. Em 1880, passaram a ser organizadas competições amadoras da modalidade nas categorias Galo (até 54 kg), Pena (até 57 kg), Leve (até 63,5 kg), Médio (até 73 kg) e Pesado (qualquer peso).

O boxe entrou nas Olimpíadas em 1904, em St. Louis. Desde então, passou por algumas mudanças importantes, como a obrigatoriedade do uso do capacete, determinada a partir dos Jogos de Los Angeles-1984; a adesão ao sistema eletrônico de pontuação, em Barcelona-1992; e a uniformidade da pontuação das lutas, em Pequim-2008. Outra mudança significativa ocorreu na última edição dos Jogos, em Londres-2012: a introdução do boxe feminino em três categorias (Mosca, até 51 kg; Leve, até 60 kg; e Meio-pesado, até 75k g).

NO BRASIL

Para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, a Federação Internacional de Boxe (AIBA, sigla em inglês) criou um novo sistema para permitir que lutadores profissionais participem dos Jogos pela primeira vez. Mas isso não significa que nomes como Floyd Mayweather vão estar no Rio, já que é preciso atender a alguns critérios e participar ativamente da APB (AIBA Pro Boxing), liga profissional da federação. Além disso, outras regras serão alteradas, como a obrigatoriedade do uso do capacete e de camiseta. Antes de receber a denominação de Confederação Brasileira de Boxe, a entidade "mater" do boxe brasileiro, ao ser fundada em 5 de março de 1933, recebeu a denominação de Federação Carioca de Boxe.

Foi reorganizada em 3 de agosto de 1935, sob o nome de Federação Brasileira de Pugilismo e por força do Dec. Lei Nº 3199 de 14/4/41, constituída em Confederação pelas entidades: Federação Paulista de Pugilismo, Federação Metropolitana de Pugilismo, Federação Mineira de Pugilismo e Federação Fluminense de Pugilismo, em Assembléia Geral realizada em 1º de agosto de 1941.

No Boxe Profissional, enquanto a CBBoxe mantinha filiação com diversas entidades mundiais de Boxe, as maiores expressões nacionais foram os Campeões Mundiais Eder Jofre, Miguel de Oliveira e Acelino "Popó" Freitas.

No Boxe "Amador", como era melhor conhecido a versão Olímpica do nosso esporte, o maior feito brasileiro, por muito tempo, foi a medalha de bronze nas Olimpíadas do México em 1968, com o Peso Mosca Servílio de Oliveira. Contudo, nos últimos anos, o Boxe Brasileiro vem colecionando feitos magníficos nunca antes alcançados, como o título de Campeão Mundial de Everton Lopes, em 2011.

A Confederação Brasileira de Boxe é filiada, exclusivamente, à AIBA (International Boxing Association). Todos os campeonatos disputados e organizados pela CBBoxe são de acordo com as Regras Técnicas e de Competição da entidade mor do Boxe no mundo.

Fonte:

Rio 2016 (rio2016.com)

Brasil 2016 (brasil2016.gov.br)

Comitê Olímpico Brasileiro (cobg.org.br)

Confederação Brasileira de Boxe (cbboxe.com.br)

Fotos Recentes

Vídeos Recentes


Receba novidades