Judô

Judô

REGRAS

É uma arte marcial, praticada como esporte de combate no desenvolvimento técnicas de defesa pessoal. As lutas têm duração de cinco minutos e o objetivo é projetar o adversário de costas no solo, finalizar com chave de braço, estrangulamento ou imobilizar o oponente no solo.

O judô possui três princípios:

Princípio da Máxima Eficiência, Princípio da Prosperidade e Benefícios Mútuos, Princípio da Suavidade.

As lutas são realizadas em uma área de 14m² e o tatame tem no mínimo 10m².

CATEGORIAS
 

CATEGORIA MASCULINO SÊNIOR FEMININO SÊNIOR
Super ligeiro Até 55 kg Até 44 kg
Ligeiro 55 a 60 kg 44 a 48 kg
Meio leve 60 a 66 kg 48 a 52 kg
Leve 66 a 73 kg 52 a 57 kg
Meio médio 73 a 81 kg 57 a 63 kg
Médio 81 a 90 kg 63 a 70 kg
Meio pesado 90 a 100 kg 70 a 78 kg
Pesado Acima de 100 kg Acima de 78 kg
 

Não são permitidos socos ou chutes e os atletas competem entre si com kimonos de cores distintas: um usa o azul e outro branco.

PONTUAÇÕES

Ippon – Golpe perfeito do judô. Quando o judoca projeta o adversário de costas no chão com força e velocidade, finalização por chave de braço ou estrangulamento ou imobilização no solo por 20 segundos.

Wazari - Quando o adversário é projetado sem bater totalmente as costas no chão sem força ou velocidade, ou quando é imobilizado por um tempo de 15 a 19 segundos. Dois wazaris correspondem a um ippon.

Yuko – Pontuação mínima do judô acontece quando o adversário é projetado e cai com a lateral do corpo no solo, ou é imobilizado por um tempo de 10 a 14 segundos.

PENALIDADES

Evitar o combate, fugir para área de segurança, segurar a faixa do oponente são consideradas infrações que podem gerar advertências (shidos) e se o atleta acumular 4 shidos, recebe um hamsokumake que é a desclassificação.

Shido: violação pequena – vale um Koka para o adversário.

Chui: violação normal – vale um Yuko para o adversário.

Keikoku: violação séria – vale um Waza-ari para o adversário.

Hanso-Kumake: violação grave – vale um Ippon para o adversário

GLOSSÁRIO

Dojo: espaço para treinos

Hajime: comando do árbitro para o início da luta. Hajime quer dizer começar em japonês.

Matte: comando dado pelo árbitro para os atletas interromperem momentaneamente a luta e retornem às suas posições iniciais.

Soremade: comando dado pelo árbitro indicando o final do combate.

Hansoku-make: comando dado pelo árbitro que indica a desclassificação de um dos judocas.

Judogul: comando dado pelo árbitro para os judocas arrumarem o kimono.

Shido: punição por falta de combatividade.

HISTÓRIA

O estilo Takenouchi-ryu fundado em 1532 é considerado a origem do estilo Ju-Jutsu japonês. O judô é derivado do Ju-Jutsu, uma arte que serve tanto para atacar quanto para defender usando nada mais que o seu próprio corpo.

Durante anos, o jovem Jigoro Kano, professor de educação física, se dedicou a fazer um estudo completo sobre as antigas formas de autodefesa e, procurando encontrar explicações científicas aos golpes, baseadas em leis de dinâmica, ação e reação, selecionou e classificou as melhores técnicas dos vários sistemas de Ju-jutsu em um novo estilo chamado de Judô, ou "caminho suave" - Ju (suave) e Do (caminho ou via).

Em 1882, o mestre Kano fundou o Instituto Kodokan. O termo Kodokan se decompõe em ko (palestra, estudo, método), do (caminho ou via) e kan (Instituto). Assim, significa "um lugar para estudar o caminho", o que explica muito bem a intenção do fundador da arte. Além de tornar o ensino da arte marcial como um esporte, Jigoro Kano desenvolveu uma linha filosófica baseada no conceito ippon-shobu (luta pelo ponto perfeito) e um código moral. Assim, ele pretendeu que a prática do Judô fortalecesse o físico, a mente e o espírito de forma integrada.

Com seu trabalho, Jigoro Kano conseguiu criar uma modalidade que não se restringe a homens com vigor físico, se estendendo a mulheres, crianças e idosos, de qualquer altura e peso.

Prosseguindo com a organização da Kodokan e buscando aprovar os regulamentos do Judô, Mestre Kano tornou-se o primeiro membro asiático do Comitê Olímpico Internacional em 1909 e trabalhou para a propagação do esporte no mundo todo. O Judô passou a fazer parte do programa olímpico oficialmente nos Jogos de Tóquio em 1964.

NO BRASIL

A imigração japonesa foi o fator mais importante para o surgimento do judô no Brasil. A influência exercida por lutadores profissionais representantes de diversas escolas de ju-jutsu japonês também contribuiu para o desenvolvimento do judô. O início do judô no Brasil ocorreu sem instituições organizadoras.

O esporte chegou ao Brasil por volta de 1922, quando Eisei Maeda  ou o Conde de Koma, como era chamado, fez sua primeira apresentação no país, em Porto Alegre, depois partindo para Rio de Janeiro e São Paulo. Apesar do esforço de Maeda e de outros mestres, foram necessários vários anos até que o judô se popularizasse no Brasil. O processo teve início em 1938, quando um grupo de japoneses desembarcou no Brasil. Liderados pelo professor Riuzo Ogawa, eles fundaram a Academia Ogawa, que passou a ensinar a modalidade. A partir dali, o judô ganhou força.

Em 18 de março de 1969, foi fundada a Confederação Brasileira de Judô (CBJ). Em 1972, nas Olimpíadas de Munique, o japonês naturalizado brasileiro Chiaki Ishii subiu ao pódio para receber a medalha de bronze na categoria meio-pesado, escrevendo seu nome na história como o primeiro judoca do país a conquistar uma medalha olímpica. Ele inaugurou a série de 19 medalhas olímpicas que o judô brasileiro conquistou até hoje.

Fonte:

Rio 2016 (rio2016.com)

Brasil 2016 (brasil2016.gov.br)

Comitê Olímpico Brasileiro (cog.org.br)

Confederação Brasileira de Judô (cbj.com.br)

Fotos Recentes

Vídeos Recentes


Receba novidades