Yoga

Yoga

REGRAS

Execução: a regra básica é quanto à execução do Asana. Asana é uma palavra de origem sânscrita que nomeia as diversas posturas utilizadas pela yoga. O asana deve ser firme e não pode causar nenhum tipo de desconforto, pois precisa ser uma posição tão confortável que você possa ficar na mesma por um longo período.

O asana deve ser um esforço de corpo e mente e a respiração deve ser normal e ritmada, iniciada nas narinas e terminada no abdômen. Asana de longa permanência é necessário que o tronco esteja ereto sendo importante que o praticante saiba elevar seu tempo de permanência sem agredir seu corpo.

Repetição: quanto à repetição do asana, a regra é: permanência máxima, repetição mínima.

Localização da Consciência: consiste em prestar atenção a uma determinada área do corpo como um órgão, um músculo, uma articulação, um chakra etc.

Chakras são centros energéticos dentro do corpo humano, que distribuem a energia (prana) através de canais (nadis) que nutrem órgãos e sistemas.

Mentalização: consiste em aplicar imagens, cores e/ou sons na região onde você localiza a consciência. Procure visualizar imagens claras e ricas de detalhes daquilo que você quer ver realizado.

Ângulo Didático: é posicionamento do corpo em relação ao observador. Posições de flexão para frente, para trás e de torção são demonstradas de lado. As de flexão lateral são demonstradas de frente e não deve dar as costas ou as solas dos pés na direção do observador.

Compensação: sempre que fizer um ásana de anteflexão, compense com um de retroflexão. Quando se executar uma flexão para a esquerda, compense com uma para a direita, e vice-versa; idem para as torções. A compensação é fundamental para que os ásanas só proporcionem resultados positivos e jamais comprometam a coluna ou a sua saúde em geral de quem pratica Yoga.

Segurança: esforce-se sem forçar. Qualquer desconforto, dor, aceleração cardíaca ou transpiração em excesso são avisos do nosso organismo para que sejamos mais moderados.

HISTÓRIA 

Existem evidências de que os primeiros rudimentos das posturas de yoga surgiram na civilização do Vale do Indo, no atual território paquistanês, por volta de 2000 a.C. Porém a primeira forma organizada de yoga surgiu com o sábio Patanjali, que, por volta de 200 a.C., escreveu o clássico Ioga Sutra. O criador do hatha ioga (literalmente, "união do sol e da lua", traduzido do sânscrito) teria sido Swatmarama, um iogui (praticante de ioga) indiano do século XV. O hatha yoga difundiu-se amplamente no mundo com o interesse surgido pela cultura oriental a partir da década de 1960, no movimento da contracultura.

Mitologicamente, o Yoga foi cantado nos Puranas (fábulas e lendas), que afirmam que certa vez o Deus Shiva (um dos aspectos da trindade hindu) ensinava sua esposa Parvati as posições: (asanas) do Yoga a beira de um lago e um peixe (matsya) que observava Shiva e Parvati praticando os exercícios, os imitou e evoluiu até se transformar em Homem.

Sada Shiva apareceu há 6.500 anos na Índia. Na época da vida de Shiva, os homens eram quase animais, quer dizer, os homens viviam controlados pelos instintos básicos – medo, sono, fome e sexo. Não havia uma estrutura social sólida e, portanto, não havia aquele espírito de coletividade que é necessário para o progresso humano. Os homens tinham alguns conhecimentos sobre medicina, arte, arquitetura e educação, mas não sabiam nada sistematicamente.

Os homens também não partilhavam os seus conhecimentos, com medo de ver o seu próprio prestigio diminuído. Assim, muitos conhecimentos se perderam, e o resultado foi que não havia mais uma maneira sistemática de realizar as atividades ou de ensinar os demais. Shiva deu um sistema para desenvolver todas as faculdades humanas. Deste modo o homem de natureza animal começou a usar um sistema em sua vida. Esse sistema se chama Tantra Yoga.

Para que o tantra não perdesse sua pureza e significados originais, decidiu-se que seus ensinamentos deveriam ser gravados cujos livros são: Ágama Shastra e Nigama Shastra; o primeiro sobre as teorias e o segundo se refere às práticas. Há também o Bhagavad Gita, que está para a Índia assim como o Evangelho de Jesus esta para o Ocidente. A obra é uma das principais escrituras sagradas da cultura da Índia e compõe a principal obra da religião Vaishnava, que envolve várias ramificações de fé em Vishnu ou Krishna, dentre as quais o popularmente conhecido movimento Hare Krishna.

O Bagavadguitá é a essência do conhecimento Índia antiga e um dos maiores clássicos de filosofia e espiritualidade do mundo. A filosofia perene do Bagavadguitá tem intrigado a mente de quase todos os grandes pensadores da humanidade, tendo influenciado de maneira decisiva inúmeros movimentos espiritualistas.

Fonte:

Médoto DeRose (metododerose.org) 

Ananda Marga (anandamarga.org.br

Wikilivros (wikibooks.org)

Wikipedia (wikipedia.org)

Fotos Recentes

Vídeos Recentes


Receba novidades